Já pensou em surfar sem prancha?

Não é assim que a maior parte das escolas de surfe ensinam, mas ela é bem conhecida por quem vive entre as ondas. Também conhecido como jacaré, o surfe de peito tem atletas já bem consagrados e muito corajosos.

waimea-outside-dez13_web.jpg.1340x450_default.jpg

Foto: Ricardo Taveira / Divulgação

 

Como o próprio nome sugere, no surfe de peito o atleta deve enfrentar as ondas usando nada mais que seu corpo e coragem.

Além de pairar sobre ondas gigantes, os atletas mais experientes ainda conseguem realizar manobras sobre os paredões de água. Grande equilíbrio e tranquilidade são indispensáveis para aqueles que surfam assim.

Um grande nome desse esporte é o brasileiro Henrique Pestillo, que prova com o apelido sua habilidade: "Homem Peixe". Ele desenvelvou sua técnica própria e já encarou algumas das maiores ondas do mundo, chegando a surfar a oito metros de altura.

Para ir tão longe, Henrique criou seu próprio método de quatro passos que ensina a seus alunos. O primeiro passado é o Jacaré, que ensina a entrar, permanecer e sair da onda com segurança. Depois há a Serpente, que tem a ver com fluidez na onda.

O passo da Galvota é o terceiro e lida com a habilidade de fazer manobras nas ondas. E, por último, a fase Golfinho, que cria uma conexão íntima com o mar e desenvolve o estilo pessoal do surfista.

O Homem Peixe dá suas aulas em Fernando de Noronha, onde vive. Lá, ele ensina a harmonia com a natureza, além das técnicas de seu esporte.

https://youtu.be/hp1g0_6eg3c

Por não ser tão famoso, o surfe de peito se faz a partir de diferentes escolas em várias praias diferentes, e não conta com muita divulgação ou campeonatos reconhecidos. De toda forma, não deixa de ser incrivelmente interessante.

Mesmo que você não surfe, ainda pode curtir um bom contato com o mar, não é? Venha para Floripa aproveitar ondas tranquilas e gostosas, sem perder o conforto dos Hotéis Costa Norte, claro. Vamos adorar te receber!

Com informações de GE.